Imprimir conteúdo  imprimir   
Enviar página por email  enviar   

Arcos de Valdevez - Carne Cachena da Peneda entra na «Arca do Gosto»

A Carne Cachena da Peneda, com selo de Denominação de Origem Protegida (D.O.P.), passou a integrar a «Arca do Gosto», documento inscrito no movimento Slow Food que salvaguarda informação sobre produtos em risco de extinção, embora com potencial produtivo. O Feijão Tarrestre, a Laranja de Ermelo, a Broa de Milho de Rio Frio (Arcos de Valdevez), a Alheira de Mirandela e o Queijo de Serpa são os outros cinco produtos nacionais entre os 750 já catalogados.

Café Portugal | domingo, 17 de Março de 2013

A classificação da Carne Cachena enquanto produto Slow Food, surgiu através de uma parceria da Associação Regional de Desenvolvimento do Alto Lima (Ardal) com a Cooperativa Agrícola dos Agricultores de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca (entidade gestora da DOP «Carne Cachena da Peneda»).

A Cachena da Peneda é considerada a mais pequena raça bovina portuguesa, atingindo uma altura máxima à cernelha de 110 centímetros, sendo também uma das mais pequenas do mundo.

É nas zonas mais altas das serras da Peneda, Soajo e Amarela, no Parque Nacional da Peneda-Gerês, que esta raça bovina pastoreia, sobretudo em períodos longos, que se estendem desde o princípio da Primavera até fins do Outono.

E é nas brandas que se concentram, em lugares de habitação de alta montanha, para onde as populações se deslocam na época estival por serem frescos e de boa exposição, e onde existem pastos em abundância para o gado e sombras para abrigo dos animais nas horas de sol intenso.

«O tipo de carne obtida resulta de um equilíbrio absoluto entre o sistema de produção utilizado e as características da própria raça», recorda a autarquia de Arcos de Valdevez, em comunicado.

A Cachena distingue-se por isso pela sua tenrura e sabor único, apresenta cor rósea clara ou pálida, vermelho claro ou escuro, de acordo com a idade do animal e por ter pouca gordura intramuscular de coloração branco suja.

Recorde-se que o Feijão Tarrestre, a Laranja de Ermelo (Arcos de Valdevez), a Broa de Milho de Rio Frio (Arcos de Valdevez), a Alheira de Mirandela e o Queijo de Serpa são já alguns dos produtos que constam da «Arca do Gosto», iniciativa criada em 1996 como o objectivo de identificar, guardar e divulgar, no mesmo espaço, informações sobre produtos em risco de desaparecer, mas que ainda resistem e detêm potencial produtivo. A recuperação de raças autóctones é, por isso, uma das grandes metas da iniciativa.

Até ao momento foram incorporados neste Catálogo 750 produtos de dezenas de países.

O movimento Slow Food nasceu em 1989 em oposição ao chamado Fast Food, comida rápida e descaracterizada, que sofreu nas últimas décadas um crescimento considerável.
 

  
Comentários Comentários (0)
Não existem comentários
Newsletter 
Fique mais próximo do Café Portugal
nome:
email: