Imprimir conteúdo  imprimir   
Enviar página por email  enviar   

Fado já é Património Imaterial da Humanidade

O Fado é Património Imaterial da Humanidade segundo decisão hoje tomada durante o VI Comité Intergovernamental da Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Café Portugal | domingo, 27 de Novembro de 2011

A candidatura portuguesa à Lista Representativa do Património Cultural e Imaterial da Humanidade foi considerada como «exemplar» pelos peritos da UNESCO. O reconhecimento neste mês de Novembro culmina um processo inicialmente lançado em 2005, após Portugal ter ratificado a convenção da UNESCO para preservar formas de expressão cultural como ritos, danças, músicas, que não entram na classificação de património com corpo físico.

O Presidente da Comissão Científica da candidatura, Rui Vieira Nery, disse que a decisão da UNESCO «é uma vitória muito grande para o Fado, é uma vitória para a cultura portuguesa no seu conjunto, é uma vitória para Portugal e para a imagem de Portugal no mundo». No mesmo registo, Rui Nery, sublinhou que se trata de «uma vitória também para a auto-estima do nosso país, lembrar que somos uma grande cultura que sobreviveu durante nove séculos e que sobreviverá também a todas as crises presentes»,

 Por seu turno, Sara Pereira, Directora do Museu de Fado e um dos membros da candidatura, sublinhou que «estamos muito felizes e com imensa vontade de partilhar essa alegria com todos os que trabalharam nesta candidatura, com todos os que constroem o Fado, com todos os nossos artistas, todos os nossos parceiros, as instituições envolvidas, os investigadores, a equipa do Museu do Fado. É uma alegria muito grande».

Sara Pereira, referiu que a inscrição é uma «responsabilidade acrescida» no cumprimento do plano de salvaguarda que foi apresentado à UNESCO e que tem cinco eixos estratégicos: a rede de arquivos, o arquivo digital sonoro, o programa editorial, a implementação de roteiros temáticos de fado e o programa educativo.

Recorde-se que esta candidatura apresentada à UNESCO obriga a um programa que, no caso concreto, aponta, entre outras medidas, para a implementação de um plano de salvaguarda integrada do património do Fado. O documento explana cinco áreas programáticas: Envolvimento da Sociedade Civil (rede de cooperação institucional); Educação/Formação (implementação de Programas Educativos com a participação de artistas, autores, músicos e construtores de instrumentos); Edição/Investigação (programa editorial de fontes históricas, musicais, poéticas, iconográficas, sonoras, outras edições literárias). Completa-se com a dinamização e revitalização de espaços tradicionais de Fado e com acções de promoção no plano nacional e internacional. 

Agora, depois do reconhecimento, o Estado português compromete-se a preservar a história e fontes do Fado. Entre as obrigações implícitas estará a criação de um arquivo sonoro.

Recorde-se que a candidatura do Fado a Património Cultural Imaterial da Humanidade foi coordenada pela Empresa municipal de Gestão dos Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), através do Museu do Fado, em parceria com o Instituto de Etno-Musicologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
A candidatura tem como «embaixadores» os fadistas, Mariza e Carlos do Carmo e na Comissão Científica a participação de Rui Vieira Nery (Presidente, INET-MD), Salwa Castelo-Branco (INET-MD), Sara Pereira (EGEAC/Museu do Fado).
 

  
Comentários Comentários (2)
domingo, 27 de Novembro de 2011 | maria emilia salema
Não sinto orgulho, mas sim genuína emoção e re(oiço) os fadistas da velha guarda .
Com eles, aprendi a distinguir o Fado -res nostra! - agora, na diversidade dos poetas, dos temas e das vozes, bem como no toque virtuoso da guitarra, integrei o FADO na minha "discoteca" como música classica! Parabéns, PORTUGAL!
Newsletter 
Fique mais próximo do Café Portugal
nome:
email: